Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Publicado em 17/10/2016

Atualidades

Iraque inicia ofensiva para libertar Mossul do Estado Islâmico

Operação deve durar semanas ou mesmo meses. Cidade foi capturada pelos extremistas em junho de 2014.

Iraque iniciou ofensiva para libertar Mossul do Estado Islâmico


As forças iraquianas iniciaram a ofensiva para libertar Mossul do controle do Estado Islâmico, afirmou em comunicado na madrugada desta segunda-feira (horário local) o premiê iraquiano, Haider al-Abadi, segundo a rede americana de TV CNN.

A operação deve durar semanas ou mesmo meses. A coalizão internacional liderada pelos EUA e as forças iraquianas vêm realizando há mais de um ano ataques aéreos contra posições do EI com objetivo de enfraquecer os jihadistas.

O Iraque concluiu neste domingo a mobilização de suas unidades na cidade de Al Qayara, que fica ao sul de Mossul, em sua preparação para a ofensiva que tem como objetivo expulsar o grupo jihadista da cidade.

Desde a semana passada, as forças iraquianas apoiadas pela aviação da coalizão internacional liderada pelos EUA vêm fazendo seus últimos preparativos para iniciar a ofensiva para libertar Mossul, o último bastião do Estado Islâmico no Iraque.

A cidade, a segunda mais importante do país, foi capturada pelos extremistas em junho de 2014. Neste ano, o EI foi perdendo parte dos territórios que controlava e a maior parte das cidades importantes, sendo Mossul seu domínio mais valioso na atualidade.

Rebelião
Na sexta-feira, o Estado Islâmico desbaratou um plano de rebelião em Mossul liderado por um dos comandantes do grupo que pretendia mudar de lado e ajudar a entregar a capital iraquiana do califado às forças do governo.

O EI executou 58 pessoas suspeitas de participação no complô depois que o plano foi descoberto na semana passada. Segundo testemunhas, os amotinados foram mortos afogados e seus corpos foram enterrados em uma vala coletiva nos arredores da cidade.


Veja também: Rússia volta a bombardear a cidade síria de Aleppo

http://g1.globo.com/