Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Publicado em 27/10/2016

Atualidades

Conta de Doria para manter a tarifa em R$ 3,80 desconsidera gratuidades

Equipe do prefeito eleito busca R$ 550 mi para garantir o congelamento do preço das passagens, mas quer que a gestão Haddad consiga mais R$ 650 mi


Conta. Proposta de lei orçamentária prevê subsídio de R$ 1,7 bi para o sistema em 2017, mas técnicos já falam em R$ 3 bi.


SÃO PAULO - O prefeito eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirma que precisa de R$ 550 milhões para manter o preço da passagem de ônibus congelado em R$ 3,80. Os cálculos, porém, não levam em conta o custo de R$ 650 milhões trazido pelas gratuidades do transporte, como o passe livre estudantil e o bilhete único mensal. Para cobrir esse rombo, a futura gestão tenta transferir a responsabilidade de achar recursos ao atual prefeito, Fernando Haddad (PT), criador dessas gratuidades. A gestão Haddad informou nesta quarta-feira, 26, que não comentaria o caso.

Ao Estado, a equipe de Doria disse que caberia ao prefeito eleito apenas a função de encontrar recursos para cobrir o valor que não será arrecadado com o aumento de tarifa – cujo porcentual de ajuste necessário está na casa dos 7%, segundo empresas do setor.

“Pega 7% de R$ 7,5 bilhões (o custo total do transporte). Dá exatamente os R$ 500 e poucos milhões (que Doria admite precisar para cumprir a promessa). O resto é problema do prefeito (Haddad). É a Prefeitura que está trabalhando e eles que estão tentando resolver. Estamos acompanhando para ver como eles vão resolver”, disse o coordenador da equipe de transição de Doria, Julio Semeghini, provável secretário de Governo da próxima gestão.

Diferença. Os subsídios com os ônibus devem chegar à casa dos R$ 2,65 bilhões ainda neste ano. Para o ano que vem, a proposta de lei orçamentária em discussão na Câmara Municipal prevê subsídio de R$ 1,7 bilhão. Mas técnicos da São Paulo Transporte (SPTrans) e empresários do setor estimam que esse custo chegará a R$ 3 bilhões em 2017. O buraco seria, então, de R$ 1,3 bilhão – a diferença entre o custo real e o dinheiro garantido para ele no Orçamento.

“Qual é o tamanho do problema dos benefícios para o ano que vem? R$ 1,3 bilhão. Está sendo discutido de que maneira isso será resolvido”, diz Semeghini. “O que tem de ser resolvido são os (cerca de) R$ 600 milhões, que são fruto dos outros benefícios dados em 2015, começo de 2016, que o prefeito (Haddad) está tentando achar uma forma de resolver”, enfatizou.

A equipe de transição afirma não ter definido um “plano B” para o caso de a gestão Hadad não apresentar formas de manter as gratuidades. A solução para o problema não está sendo buscada, uma vez que os planos da atual gestão para o setor seriam de reajustar a tarifa em 2017.

“Aí temos de sentar com as empresas de transporte e discutir outras alternativas, melhorias na eficiência”, argumentou Semeghini, questionado sobre os cenários previstos caso a Prefeitura não resolva o problema neste ano. Ele descarta, porém, propor ações como reduzir número de linhas ou de ônibus, que diminuiriam gastos às custas de piora no serviço. 

Uma das alternativas defendidas por empresas do setor seria a exclusão do cobrador. Em São Paulo, entretanto, uma lei municipal garante o emprego desses trabalhadores. Empresas do ramo também articulam, no Congresso, a criação de um imposto municipal sobre combustíveis específico para custear as tarifas, mas não têm expectativa de obter vitória ainda neste ano. 

http://estadao.com.br/

Bruno Ribeiro e Juliana Diógenes