Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Publicado em 10/08/2016

Atualidades

COI quer alunos da rede pública para lotar arenas

Preocupada com falta de público em muitas arenas, organização planeja levar crianças a locais com pouco público

Pouco público tem deixado dirigentes do COInternacional preocupados

Com centenas de lugares vazios em praticamente todos os locais de provas, a Rio 2016 planeja trazer para o parque olímpico crianças de escolas públicas do Rio de Janeiro. A entidade garante que não irá simplesmente retirar os estudantes dos colégios e afirma que elas farão parte de um programa de educação.

Desde o primeiro dia do evento no Rio, as arquibancadas vazias preocupa o COI. Os organizadores insistem que 84% das entradas estão vendidas. Mas, pelo menos visualmente, a impressão é de que muitos ingressos não tem sido utilizados. No primeiro dia dos Jogos, os organizadores culparam as longas filas pelas ausências.

Depois, a Rio-2016 insistiu que o problema era que torcedores estavam apenas interessados em ver o Brasil e compravam entradas que davam direito a várias competições, no mesmo local.

Agora, a entidade admite a existência do problema. “Os lugares vazios preocupam”, indica Mario Andrada, diretor de Comunicação da Rio-2016. “Estamos lidando com isso. Temos um projeto social e vamos oferecer nesse sentido”, indicou. Andrada não indicou quantas crianças seriam levadas ao local e nem em quais disciplinas.

Mas um dos projetos é de que elas sejam usadas principalmente no sambódromo e outros locais com esportes menos populares.

Provas vazias não são um problema exclusivo do Rio. Em Londres, em 2012, os organizadores levaram centenas de militares para as arquibancadas com o objetivo de preencher os espaços e dar uma imagem para as câmeras de locais cheios.

Comportamento. Além da questão de centenas de lugares vazios, o COI também está preocupado com o comportamento dos torcedores brasileiros. A entidade vai reforçar o pedido para que o público no Jogos Olímpicos respeite os momentos de silêncio em competições. Nos últimos dias, atletas tem se queixado do barulho dos torcedores em modalidades que, tradicionalmente, são disputadas com momentos de concentração para os atletas. As vaias, porém, tem sido consideradas pelo COI como um problema.

“Essas vaias precisam mudar. Queremos que as competições ocorram num clima de fair play. Respeitamos a forma de se expressar dos torcedores brasileiros, mas é importante educar um pouco fora da cultura do futebol”, disse Mark Adams, porta-voz do COI.

Andrada aponta que a questão não é a de criticar o público. “A torcida é soberana. Mas temos de respeitar a liturgia de alguns esportes. Mas isso com dialogo. Depois dos Jogos Olímpicos, queremos que o país seja multi esportivo”, disse.

“O público sabe como se comportar. Mas em alguns esportes, onde o silêncio é necessário, estamos pedindo um reforço”, disse. Andrada admitiu que, nos primeiros dias, o COI ficou “preocupado” diante da reação da torcida. “As vaias fazem parte. Mas precisam entender que atrapalha os atletas e precisam ser controladas” , disse.

“Tem uma questão cultural, como a vuvuzela na África do Sul na Copa de 2010. O público brasileiro finalmente está tendo acesso a outros esportes. Faz parte do aprendizado de todos. Vamos reforçar a necessidade da silêncio”, completou. Nos últimos dias, atletas tem se queixado do barulho dos torcedores em modalidades que, tradicionalmente, são disputadas com momentos de concentração para os atletas. As vaias, porém, tem sido consideradas pelo COI o maior problema.

O público tem se manifestado não só contra os adversários dos brasileiros. Argentinos e americanos têm sido os principais alvos, tanto que Novak Djokovic, número um do mundo do tênis, teve toda a torcida a seu favor na estreia fracassada contra o argentino Martin Del Potro.

http://estadao.com.br/

Jamil Chade