Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Publicado em 14/03/2019

Atualidades

Após surto de H1N1 no Amazonas, Roraima tem primeiro caso neste ano

O Departamento de Vigilância Epidemiológica de Roraima emitiu, no início do mês, nota de alerta para que profissionais de saúde se mantenham sensíveis à identificação precoce de casos suspeitos.


Rovena Rosa/Agência Brasil


A Secretaria de Saúde de Roraima confirmou o primeiro caso de infecção pelo vírus H1N1 no estado este ano. A paciente, de 26 anos, deu entrada no Hospital Geral de Roraima na semana passada com sintomas da chamada Síndrome Respiratória Aguda Grave. Ela foi tratada e já recebeu alta médica. 


O Departamento de Vigilância Epidemiológica de Roraima emitiu, no início do mês, nota de alerta para que profissionais de saúde se mantenham sensíveis à identificação precoce de casos suspeitos. Isso porque no Amazonas, estado vizinho, foram registradas 24 mortes causadas pelo H1N1, de acordo com boletim epidemiológico divulgado na última segunda-feira (11).


Vacinação

A campanha de vacinação contra a influenza este ano em Roraima começa no dia 15 de abril e segue até 31 de maio. O dia 4 de maio foi escolhido como dia de mobilização. O estado, juntamente com o Amazonas, será o primeiro a receber as doses.


A orientação da secretaria de saúde é que os seguintes grupos de risco recebam atenção especial: grávidas em qualquer idade gestacional; puérperas (mulheres até duas semanas após o parto); adultos com mais de 60 anos; e crianças com menos de 5 anos, sendo que o maior risco de hospitalização é em menores de 2 anos, sobretudo menores de 6 meses, que registram maior taxa de mortalidade.


Também fazem parte do público-alvo população indígena aldeada; indivíduos menores de 19 anos em uso prolongado de ácido acetilsalicílico, conhecido popularmente como AAS; indivíduos que apresentam comorbidades (existência de duas ou mais doenças simultaneamente); população privada de liberdade e profissionais da saúde.

Agência Brasil

Paula Laboissière